RSS

Arquivo do autor:Templo Dos Anjos da Ordem de Shidha

13 DE JUNHO DIA DE SANTO ANTONIO

 

Santo Antônio nasceu em Lisboa, Portugal, dia 13 de setembro de 1191, e morreu com 36 anos, dia 13 de junho de 1231, nas vizinhanças de Pádua, Itália. Por isso, é chamado Santo Antônio de Lisboa e Santo Antônio de Pádua, um dos santos mais populares da Igreja, ‘o santo do mundo todo’ o chamou Leão XIII.

Filho de Martinho de Bulhões e Teresa Taveira, de famílias ilustres, recebeu o nome de Fernando no batismo. Aos 15 anos, entrou no convento da Ordem dos Cônegos Regulares de Santo Agostinho, nas proximidades de Lisboa. Aí ficou dois anos e pediu para ser transferido para o mosteiro  de Santa Cruz em Coimbra, porque eram tantas as visitas de parentes e amigos, que perturbavam sua paz. Em Coimbra fez filosofia e teologia e foi ordenado padre.

O INGRESSO NA ORDEM DOS FRANCISCANOS:

Nesse mosteiro de Coimbra, se hospedaram os frades Franciscanos do convento de Santo Antônio dos Olivais, quando viajavam para converter os muçulmanos em Marrocos, na África. Pouco tempo depois, os restos mortais desses frades, martirizados em Marrocos, voltaram a Portugal, para o sepultamento desses heróis em Coimbra, onde morava o Rei de Portugal. Nessa ocasião, ‘Santo Antônio’ sentiu grande desejo de evangelizar Marrocos e imitar os mártires. Por isso, no verão de 1220, entrou para a Ordem dos Franciscanos, mudou seu nome para Antônio, que era o titular do convento franciscano dos Olivais, e foi mandado para Marrocos.

No início de novembro de 1220, Antônio desembarcou em Marrocos, mas terrível enfermidade o reteve na cama todo o inverno e resolveram devolve-lo para Portugal. O navio de volta a Portugal foi levado pelos ventos para a Itália. Desembarcou na Sicília e se dirigiu para Assis, onde se encontrou pela primeira vez com São Francisco. Então, participou de um Capítulo Geral da Ordem, que começou a 20 de maio de 1221, em Assis.

Não demorou para se revelar como excelente orador e pregador, em setembro de 1221, fazendo o sermão em Forli, na ordenação sacerdotal de franciscanos e dominicanos. Surpreendeu o Provincial e todos ficaram maravilhados.

Por isso, o Provincial o encarregou da ação apostólica contra os hereges na região da Romanha. e no norte da Itália, quando se tornou extraordinário pregador popular. Em Rimini, os hereges impediam o povo de ir aos seus sermões. Então, apelou para o milagre. Foi à costa do Adriático e começou pregar aos peixes, que acorreram em multidão, mostrando a cabeça fora da água. Este milagre invadiu a cidade com entusiasmo e os hereges ficaram envergonhados.

Após alguns anos de frade itinerante, foi nomeado, por carta, por São Francisco, o primeiro ‘Leitor de Teologia’ da Ordem. Mas, este magistério de teologia para os franciscanos de Bolonha demorou pouco porque o Papa mobilizou todos os pregadores dominicanos e franciscanos para combater a heresia albigense na França.

Por isso, passou três anos, lecionando, pregando e fazendo milagres no sul da França – Montpellier, Toulouse, Lê Puy, Bourges, Arles e Limoges. Como ocupava o cargo de custódio do convento de Limoges, foi para Assis participar do Capítulo Geral da Ordem, convocado por Frei Elias, a 30 de maio de 1227. Nesse Capítulo foi eleito Provincial da Romanha, cargo que ocupou com êxito até 1230. Em 1229, foi morar com os seus irmãos franciscanos, perto de Pádua, no convento de Arcella, em Camposampiero.

 

 

A MORTE DE SANTO ANTONIO:

Nesse lugar retirado, a pedido do Cardeal de Óstia, dedicou-se a escrever os sermões das festas dos grandes santos e de todos os domingos do ano. Mas sempre saia para pregações, por exemplo, durante a Quaresma, até morrer, por uma hidropisia maligna, na sexta-feira, de 13 de junho de 1231.

Foi tanta a repercussão de sua morte e tantos os milagres, que, onze meses após sua morte, foi canonizado pelo Papa Gregório IX. Em 1263, quando seu corpo foi exumado, sua língua estava intacta e continua intacta até hoje, numa redoma de vidro, na Basílica de Santo Antônio, em Pádua, onde estão seus restos mortais.

Mais tarde, em 1934, foi declarado Padroeiro de Portugal.

E em 1946, o Papa Pio XII proclamou Santo Antônio ‘Doutor da Igreja’, com o título de ‘Doutor Evangélico’. Santo Antônio não perdeu sua atualidade e é invocado pelo povo cristão, até hoje, para curar doença, achar coisa perdida e ajudar no casamento.

DEVOÇÕES A SANTO ANTONIO

É invocado como protetor de coisas perdidas, porque em Montpellier, na França, onde lecionava e pregava, um noviço franciscano saiu do convento e roubou seus comentários escritos sobre os salmos. Ele rezou para que o ladrão lhe devolvesse a preciosa obra. Arrependido, o ladrão voltou e lhe devolveu o livro manuscrito. Daí o fato de ser invocado para encontrar coisas perdidas.

Também, na França, uma senhora de Toulouse, por ter alcança do uma grande graça, por intercessão de Santo Antônio, resolveu levar pães à igreja, para que fossem abençoados e distribuídos aos pobres. Daí vem a tradição de se abençoar os pães de Santo Antônio, no dia 13 de junho, para se crescer no amor para com os pobres e para se buscar a restituição da saúde a muitos de nossos doentes.

A devoção a Santo Antônio teve desenvolvimento popular surpreendente. O folclore brasileiro e italiano é rico em alusões ao poder milagroso do santo para casamento e para encontrar coisa perdida.

O fato é que Santo Antônio não decepciona nunca seus devotos.

Em 1981, para celebrar 750 anos da morte de Santo Antônio, foi aberto seu túmulo, Seu esqueleto estava sem carne e muito bem conservado, sem o antebraço esquerdo e o maxilar inferior, tirados para relíquia em séculos passados. Mereceu 9 geniais sermões do padre Antônio Vieira.

1195: Nasce em Lisboa, filho de Maria e Martinho de Bulhões. É batizado com o nome de Fernando. Reside na frente da Catedral.

1202: Com sete anos de idade, começa a freqüentar a escola, um privilégio raro na época.

1209: Ingressa no Mosteiro de S. Vicente, dos Cônegos Regulares de S. Agostinho, perto de Lisboa. Torna-se agostiniano.

1211: Transfere-se para Coimbra, importante centro cultural, onde se dedica de corpo e alma ao estudo e à oração, pelo espaço de dez anos.

1219: É ordenado sacerdote. Pouco depois conhece os primeiros franciscano, vindos de Assis, que ele recebe na portaria do mosteiro. Fica impressionado com o modo simples e alegre de viver daqueles frades.

Chegam a Coimbra os corpos de cinco mártires franciscanos. Fernando decide fazer-se franciscano como eles. É recebido na Ordem com o nome de Frei Antônio, enviado para as missões entre os sarracenos de Marrocos, conforme deseja.

Chegando a Marrocos, adoece gravemente, sendo obrigado a voltar para sua terra natal. Mas uma tempestade desvia a embarcação arrastando-a para o sul da Itália. Desembarca em Sicília. Em maio do mesmo ano participa, em Assis, do capítulo das Esteiras, uma famosa reunião de cinco mil frades. Aí conhece o fundador da Ordem, São Francisco de Assis. Terminado o Capítulo, retira-se para o eremitério de Monte Paolo, junto dos Apeninos, onde passa 15 meses na solidão contemplativa e no trabalho braçal. Ninguém suspeita da sabedoria que aquele jovem frade português esconde.

Chamado de improviso a falar numa celebração de ordenação, Frei Antônio revela uma sabedoria e eloqüência extraordinárias, que deixam a todos estupefatos. Começa sua epopéia de pregador itinerante.

Em brevíssima Carta a Frei Antônio, São Francisco o encarrega da formação teológica dos irmãos. Chama-o cortesmente de ” Frei Antônio, meu bispo”.

Depois de percorrer a região norte da Itália, passa a pregar no sul da França, com notáveis frutos. Mas tem duras disputas com os hereges da região.

É eleito ” custódio” na França e, um ano depois, ” provincial” dos frades no norte da Itália.

Participa, em Assis, do Capítulo Geral da Ordem, que o envia a Roma para tratar com o Papa de algumas questões pendentes. Prega diante do Papa e dos Cardeais. Admirado de seu conhecimento das Escrituras, Gregório IX o apelida de “Arca do Testamento”.

Frei Antônio começa a redigir os “Sermões”, que hoje possuímos impressos em dois grandes volumes.

Prega em Pádua a famosa quaresma, considerada como o momento de refundação cristã da cidade. Multidões acorrem de todos os lados. Há conversões e prodígios. Êxito total! Mas Frei Antônio está exausto e sente que seus dias estão no fim. Na tarde de 13 de junho, mês em que os lírios florescem, Frei Antônio de Lisboa morre às portas da cidade de Pádua. Suas últimas palavras são: ” Estou vendo o meu Senhor “. As crianças são as primeiras a saírem pelas ruas anunciando: “Morreu o Santo”.

Não tinha bem passado um ano desde sua morte, quando Gregório IX o inscreveu no catálogo dos santos.

Pio XIII declara Santo Antônio Doutor da Igreja, com o título de “Doutor Evangélico”.

Alguns Milagres:

Santo Antônio é sem dúvida o “Santo dos Milagres”. A sua taumaturgia – relação de milagres – iniciada em vida com uma pluralidade de milagres que lhe valeram a canonização em menos de um ano, é, na história da Igreja, a mais vasta e variada.

De Santo “casadoiro” a “restituidor do desaparecido”, passando por “livrador” das tentações demoníacas, a Santo Antônio tudo se pede. Citaremos abaixo alguns dos milagres operados por esse santo.

Santo Antônio prega aos peixes. Reza a lenda que estando a pregar aos hereges em Rimini, estes não o quiseram escutar e viraram-lhe as costas. Sem desanimar, Santo Antônio vai até à beira da água, onde o rio conflui com o mar, e chama os peixes a escutá-lo, já que os homens não o querem ouvir. Dá-se então o milagre: multidões de peixes aproximam-se com a cabeça fora de água em atitude de escuta. Os hereges ficaram tão impressionados que logo se converteram. Este milagre encontra-se citado por diversos autores, tendo sido mesmo objeto de um sermão do Padre Antônio Vieira que é considerado uma das obras-primas da literatura portuguesa.

Santo Antônio livra o pai da forca. Tinha havido um crime de morte em Portugal, onde nascera Santo Antônio. Todas as suspeitas do crime recaíam sobre o pai do santo.

Chegou o dia do julgamento. Os juízes estavam reunidos para proferir a sentença condenatória. Assentado ali no banco dos réus, seu pai não podia se defender.

Nesse momento Santo Antônio estava fazendo um sermão numa igreja da Itália. Conta-se que, em dado instante, ele interrompeu o sermão e ficou imóvel, como se estivesse dormindo em pé. Durante esse mesmo tempo foi visto na sala do júri, em Portugal, conversando com os juizes. Entre outras coisas, disse-Ihes o santo: Por que tanta precipitação? Posso provar a inocência do meu pai. Venham comigo até o cemitério.

Aceitaram o convite. Frei Antônio mandou abrir a cova do homem assassinado e perguntou ao defunto: “Meu irmão, diga perante todos, se foi meu pai quem matou você”.

Para espanto dos juízes e de todos que ali estavam, o defunto abriu a boca e disse devagar, como se estivesse medindo as palavras:

“Não foi Martinho de Bulhões quem me matou”. E tornou a calar-se. Estava provada de maneira milagrosa a inocência do seu pai. Mais uma vez a verdade triunfou sobre a mentira e a calúnia.

Operou-se aí dois fatos milagrosos, a bilocação, ou ato de uma pessoa estar (por milagre) em dois locais ao mesmo tempo, e o poder de reanimar os mortos.

Com o Menino Jesus nos braços: Outro milagre, também reportado na crônica do Santo, ocorre já no fim da sua vida e foi contado pelo conde Tiso aos confrades de Santo Antônio após sua morte. Estando o Santo em casa do conde Tiso, em Camposampiero, recolhido num quarto em oração, o conde, curioso, espreita pelas frechas de uma porta a atitude de Frei Antônio; depara-se então uma cena miraculosa: a Virgem Maria entrega o Menino Jesus nos braços de Santo Antônio. O menino tendo os bracinhos enlaçados ao redor do pescoço do frade conversava com ele amigavelmente, arrebatando-o em doce contemplação. Sentindo-se observado, faz conde Tiso jurar que só contaria o visto após a sua morte.

Curiosidades

Conta-se que seu pai, Martinho, gostava de ir a uma fazenda que possuía nos arredores de Lisboa. Um dia, levou o filho com ele. Ocorre que insaciáveis bandos de pássaros desciam continuamente para bicar os grãos de trigo. Era necessário espantá-los para impedir grave dano à colheita. Martinho encarregou o garoto de manter longe os pequenos ladrões.

O pai se foi e Fernando permaneceu correndo de cá para lá no campo. Em pouco tempo começou a se aborrecer com aquela ocupação. Não muito longe, uma capelinha rústica o convidava à oração. Mas o pai o mandava enxotar os passarinhos, não podia desobedecer.

Gritou, então aos pássaros, convidando-os a segui-lo para dentro de uma sala da fazenda. Obedientes os pássaros entraram. Quando todos estavam dentro, Fernando fechou as janelas e as portas, e foi tranquilamente fazer sua visita ao Senhor.

Retornando o pai veio procurá-lo. Andou pelo campo, chamando-o cá e lá, mas não encontrou ninguém. Preocupado, dirigiu-se à capela e o descobriu, todo absorto na prece. Fernando tomou o pai pelas mãos e o conduziu ao salão repleto dos vôos e dos cantos dos graciosos prisioneiros. Abriu a porta e, a um sinal seu, os pássaros, em bando, retornaram os livres caminhos do espaço.

Outra história muito conhecida é a provável responsável pela associação de Santo Antônio com a descoberta de pessoas e objetos desaparecidos. Conta-se que, um dia, o frei descobriu que um noviço havia fugido do mosteiro e levado com ele seus comentários sobre o Livro dos Salmos. Ele, então, rezou para o retorno de ambos. Em pouco tempo, o jovem arrependido voltou para a vida religiosa, acompanhado, é claro, dos manuscritos.

Frases de Santo Antônio

“Deus é Pai de todas as coisas. Suas criaturas são irmãos e irmãs.”

“É viva a Palavra quando são as obras que falam.”

“Quando te sorriem prosperidade mundana e prazeres, não te deixes encantar; não te apegues a eles; brandamente entram em nós, mas quando os temos dentro de nós, nos mordem como serpentes.”

“Uma água turva e agitada não espelha a face de quem sobre ela se debruça. Se queres que a face de Cristo, que te protege, se espelhe em ti, sai do tumulto das coisas exteriores, seja tranqüila a tua alma.”

“A paciência é o baluarte da alma, ela a fortifica e defende de toda perturbação.”

“Ó meu Senhor Jesus, eu estou pronto a seguir-te mesmo no cárcere, mesmo até a morte, a imolar a minha vida por teu amor, porque sacrificaste a tua vida por nós.”

“Como os raios se desprendem das nuvens, assim também dos santos pregadores emanam obras maravilhosas. Disparam os raios, enquanto cintilam os milagres dos pregadores; retornam os raios, quando os pregadores não atribuem a si mesmos as grandes obras que fazem, mas à graça de Deus.”

“Ó Senhor, dá-me viver e morrer no pequeno ninho da pobreza e na fé dos teus Apóstolos e da tua Santa Igreja Católica.”

“Neste lugar tenebroso, os santos brilham como as estrelas do firmamento. E como os calçados nos defendem os pés, assim os exemplos dos santos defendem as nossas almas tornando-nos capazes de esmagar as sugestões do demônio e as seduções do mundo.”

“Quem não pode fazer grandes coisas, faça ao menos o que estiver na medida de suas forças; certamente não ficará sem recompensa!”

 

A vida intra uterina e o Espírito

 

Na vida embrionária (intra uterina) enquanto ocorre o desenvolvimento do corpo físico, o Espírito, ser pré-existente que começa o processo de ligação ao corpo em formação, não tem plena consciência da situação, mas as experiências que se passam nesse período ficam marcadas e são importantes na vida futura.

A reencarnação é resultado de um cuidadoso planejamento elaborado e conduzido pelos Espíritos Superiores onde, na própria fecundação, há a seleção do espermatozoide mais apropriado para as experiências daquele Espírito que retorna à matéria, fruto desse projeto.

Hoje a moderna ciência confirma que não é o gameta masculino mais rápido, nem o mais qualificado, nem o primeiro que chega ao óvulo feminino que rompe a sua membrana e o fertiliza, mas aquele que é “energeticamente compatível”. Isso ocorre porque é nesse momento que são determinadas as características genéticas e hereditárias necessárias ao aprendizado do ser que renasce.

No momento da fecundação, o Espírito que já se aproximava fluidicamente da futura mamãe agora começa seu processo físico reencarnatório. A energia vital do Espírito vai se acoplando a cada célula multiplicada a partir do zigoto, dando-lhe vida e direcionamento no desenvolvimento do corpo físico do feto.

O pleno êxito da gestação depende, além da condição biológica favorável, mais especialmente do perfeito acoplamento e aceitação do Espírito ao processo. Se alguma dessas condições não está a contento, poderá ocorrer o abortamento espontâneo.

Durante essa etapa o Espírito fica, de certa forma, inconsciente porque o órgão de manifestação dessa consciência (o cérebro) está em processo de formação. Mas, apesar disso, os fatos que ocorrem, as situações familiares, o estado psicológico da mãe, os estresses, as preocupações, tanto quanto as alegrias e o bem-estar provocam profundas repercussões no Espírito, podendo afetá-lo durante toda a sua vida.

Da mesma forma, o Espírito que se liga ao embrião também provoca reflexos na mãe gestante. As alterações de humor, desejos incoerentes e pensamentos conflitantes podem ser resultados da influência do Espírito que, atuando fluidicamente sobre a mãe, transformam-na em uma espécie de “médium” dele.

Podemos citar, como exemplo, a aversão repentina que algumas gestantes passam a ter de seus maridos, em especial, no início da gravidez. Em alguns casos, justifica-se essa atitude pela vinda de um Espírito antagônico ao próprio pai e que vem justamente para o reajustamento das animosidades. Finda a gestação ou até antes disso, quando se equilibram as emoções, os sentimentos do casal retornam ao nível normal.

É importante lembrar que todos já tiveram muitas experiências e cada uma delas deixou marcas profundas. Muitas são perceptíveis como o conhecimento inato, as experiências marcantes, os sentimentos, as tendências adquiridas, as emoções que surgem, os traumas e temores que afloram desde tenra idade.

Tudo isso demonstra a imensa responsabilidade dos pais frente à alma que reencarna sob sua égide. Esta programação se inicia no plano espiritual onde há a preparação emocional dos pais e do filho, o planejamento familiar e conscientização das provas que terão que passar no mundo físico.

Uma gestação emocionalmente tranquila, as conversas serenas dos pais com o bebê ainda no ventre, a manutenção de uma vida saudável à gestante, com uma alimentação equilibrada e sem substancias nocivas, bem como a presença amorosa do pai, proporcionando uma atmosfera harmônica ao lar, são fatores de profunda importância para o desenvolvimento físico, mental e emocional do bebê e, consequentemente, uma vida mais equilibrada e feliz ao ser que retorna à Terra com propósitos evolutivos.

 

Texto compilado de Luís Roberto Scholl.

Fonte: Jornal Ramatis 

 

Abrindo o Stargate do Coração

 

Queridos,

Dentro da presença do poder Divino, novos portais estão se abrindo em conjunto com eventos celestiais. Um desses eventos ocorre no dia 21 de junho como o portal do Solstício abre o Stargate do Coração. Este 2014 Solstice Stargate está se conectando a academia de Mestres Ascensionados em companhia dos Arcanjos para trazer um novo nível de graça e ensinamentos para a Terra.

Dentro das sementes antigas estão despertando códigos que foram disparados por meio do poder da atividade de Luz, em abril. 

Estes foram ancorado no coração da Mãe da Terra ao longo de maio, e sobre esta Solstice, uma nova profundidade e conscientização serão despertados . Esta ativação está dentro do alinhamento vertical que liga o ser humano com os Mestres Ascensos e Arcanjos orientando o despertar de toda a humanidade com a Terra. A potência disponível representa uma conexão com energia da Fonte que é sem precedentes.

Isto significa que agora, por meio do poder do coração, a voz de sua alma será ouvida de uma maneira nova. 

Sua conexão pessoal à sua Presença EU SOU estará mais disponível para você do que nunca.

Ao longo de maio, a profundidade da natureza tem permitido o acesso a consciência solidária dos reinos da Terra. Você estará ancorando o Solstício de Luz para a Terra para ativar a sua ligação a este apoio. Quando você passar por esse portal você está ancorando a Luz Divina para o Coração da Mãe através de seu próprio ser. Sua estrutura celular vai estar vibrando em uma nova banda que está em harmonia com a Terra. Esses códigos de despertar antigas estão sendo demitido pela luz do Solstício, não importa em que hemisfério você vive.

A oração é oferecido para sua cerimônia de solstício de honrar esta abertura do Stargate do Coração:

Presença Divina,

Como nós estamos como um no limiar de uma nova vida Awakening dentro de nós e entrar na energia da Luz Divina, nos fazem fortes e corajosos para que possamos ancorar essa luz para o despertar do mundo.

Fazei com que possamos ser capazes de acessar inteligência do nosso coração para abençoar nossas vidas com mais verdade e consciência.

À medida que passo através do Portal que se abre o portal do nosso coração, permitir que nossas mentes para ganhar a neutralidade e a consciência Cheio de luz que ilumina a verdade de nossas vidas.

Abençoa-nos que toda a humanidade pode tornar-se consciente de sua própria Presença EU SOU para que todos possamos viver de amor.

E assim é.

 

COMO O SEU CRESCIMENTO ESPIRITUAL CURA O MUNDO

 

Imagem

 

Mensagem de Owen K. Waters

Você sabia que apenas uma pessoa espiritualizada pode trazer a elevação espiritual a milhões de pessoas? Ela realmente pode, e ela pode se divertir fazendo isto! Veja como isto funciona.

 

                                                   Bem-Vindo ao Cinturão da Mente

Uma atmosfera de ar envolve este planeta e assim também uma atmosfera de consciência. Este cinturão global da mente consiste de pensamentos e sentimentos de todos no planeta. Enquanto os pensamentos causam a atividade elétrica dentro do cérebro, eles se originam como energias mentais não físicas.  Cada momento de cada dia, a sua mente sente esta frequência do cinturão da mente com o qual você está sintonizado. Cada momento de cada dia, você muda o cinturão da mente, contribuindo com os pensamentos e sentimentos que se irradiam de sua consciência.

A maior parte dos seres humanos opta por bloquear a telepatia consciente, mas a sua mente subconsciente é totalmente telepática, consciente da atmosfera mental em que você existe e alimenta esta informação através da mente consciente.

 

                                                                        ENERGIA MENTAL

O Universo está cheio de uma gama ampla de energias em todos os níveis de manifestação. Enquanto a ciência da Física se concentra apenas nas energias físicas, você precisa se aventurar além dos sentidos físicos para apreciar as energias metafísicas.  A energia mental tem tanto o aspecto yin, quanto o yang. Estas nos sãos familiares como o pensamento e o sentimento. Elas não são opostas, mas agem como aspectos complementares, da mesma maneira que a eletricidade e o magnetismo agem em uníssono um com o outro, para formar a luz.

 Quando você tem um tipo intelectual de pensamento, ele invoca sentimentos complementares. Da mesma forma, quando você tem um sentimento, ele invoca pensamentos complementares.  Você provavelmente já disse: “Ei! Eu pensei nisto primeiro! ”  Alguma vez você já teve uma ideia e então viu outras pessoas expressarem ou usarem esta mesma ideia?  Você provavelmente disse: “Ei” Eu pensei nisto primeiro! ”

 Bem, é assim exatamente que o cinturão da mente funciona. É uma atmosfera que você compartilha com todos os outros seres sensíveis, mas você se sintoniza especialmente com os temas e frequências da mente que mais lhe interessam.  O cinturão da mente compartilhado globalmente é o meio que permite que descobertas e invenções ocorram ao mesmo tempo por pessoas que não estão em contato físico, umas com as outras.

 Por exemplo, a descoberta do oxigênio foi feita não por um pesquisador, mas por três pesquisadores diferentes, em três países diferentes, ao mesmo tempo. O cálculo matemático foi outro exemplo. Ele foi criado por Newton, na Inglaterra e por Leibniz, na Alemanha, ao mesmo tempo, levando anos de divertida rivalidade.

 

                                                    VOCÊ ELEVA O CINTURÃO DA MENTE

Ao longo de sua vida, você contribui com as energias do cinturão da mente e você faz a sua parte para tornar o mundo no que ele é hoje. Como uma pessoa espiritualizada, você eleva o cinturão da mente, porque a frequência da consciência centrada no coração é mais elevada do que os pensamentos em torno do eu, da pessoa mediana, em toda a face do globo.

 Neste ponto, você pode imaginar como as pessoas espiritualizadas – uma porção menor da população atual – pode fazer o bem, em um mundo afetado por tanto materialismo, ou mesmo pelo pensamento depressivo. A resposta pode surpreendê-lo.  O Criador embaralhou as cartas a favor da evolução espiritual.  Como uma pessoa espiritualizada, os seus pensamentos de frequência mais elevada têm exponencialmente mais poder e influência do que os pensamentos de frequência menos elevada.  Por definição, pelo menos 80% da população têm um efeito médio sobre o cinturão da mente.  Você, no entanto, tem uma vantagem na frequência que capacita a sua influência no mundo, bem mais do que você possa ter percebido.

 O pesquisador David R. Hawkins passou anos investigando os efeitos de toda a gama de frequência da consciência humana e veio com uma descoberta surpreendente.  Como uma pessoa espiritualmente consciente, a influência de sua consciência é equivalente a centenas de milhares de pessoas estatisticamente medianas. Este fato surpreendente nos apresenta uma incrível oportunidade de ajudar os outros e fazer uma diferença muito positiva no mundo.

A consciência de uma pessoa no nível de entrada para a consciência espiritual, contrabalança e eleva o efeito dos pensamentos de 800.000 pessoas da consciência média, ao redor do mundo!  Imagine o que acontece quando você ultrapassa o nível de entrada e trabalha a cada dia em seu próprio crescimento espiritual! Antes que o saiba, você está ajudando a elevar dezenas de milhões de pessoas e fazendo do mundo um lugar distintamente melhor do que teria sido sem o benefício de sua presença.  Quando você eleva a sua consciência, você, exponencialmente contribui mais com a qualidade espiritual da mente global.

 Paradoxalmente, o seu maior serviço à humanidade é se concentrar em seu próprio crescimento espiritual. Este maravilhoso nível de serviço à humanidade ocorre como um efeito direto de sua consciência sobre um mundo que tem sido tão carente do pensamento espiritualmente condicionado.

 

 FAÇA DO MUNDO UM LUGAR MELHOR

Tome uma decisão de desenvolver o seu crescimento espiritual em uma base diária.  Escolha um momento para reflexão e práticas espirituais a cada dia. Passe este tempo aumentando a frequência da sua consciência, envolvendo-se em sua própria escolha das atividades espirituais, tais como: meditação, estudos espirituais, reflexão, o uso de óleos essenciais sagrados e técnicas de recarga energética.

Começar cada dia com uma prática espiritual é um hábito que logo se torna o destaque de cada dia. O efeito colateral de trazer a elevação a milhões de outras pessoas cumpre hoje um propósito fundamental de cada pessoa espiritualizada no planeta.

 Nascemos para tornar o mundo um lugar melhor…   Vamos fazê-lo! 

  Owen Waters é o autor de Love, Light Laughter: The New Spirituality

 Fonte: http://www.infinitebeing.com/ 

Tradução: Regina Drumond  – reginamadrumond@yahoo.com.br

 

 
Imagem

FUNCIONAMENTO DO TAOS DURANTE A COPA

 FUNCIONAMENTO DO TAOS DURANTE A COPA

 
Nota

Imagem

FESTIVAL DE WESAK

O FESTIVAL DA HUMANIDADE

O FESTIVAL DA BOA VONTADE

“Há um vale que se estende por uma altitude bastante elevada nos Himalaias do Tibete. Na lua cheia de maio, os peregrinos das regiões próximas começam a se reunir, e entre eles corre a lenda, que trata-se de um grupo de grandes seres que são os Guardiões da Terra e do plano de Deus para a humanidade. Esse grupo de conhecedores da divindade são os principais participantes do Festival de Wesak, é o grande festival oriental do Buda.

O Buda é a expressão da sabedoria de Deus, a personificação da luz e o revelador de propósito divino. 

 Esse festival, reconhecido por muitos como um dia de supremo impacto espiritual, não é uma celebração comemorativa mas sim um presente, um evento vivo. Wesak é uma cerimônia sagrada que acontece todos os anos entre o Buda, o Cristo, e a Hierarquia espiritual, unidos como a bênção que é derramada sobre o nosso planeta. Em Wesak as forças da iluminação, que emanam do Coração de Deus, se exteriorizam e penetram na consciência humana. Esta energia transmite o princípio divino de amor-sabedoria, do qual o Buda e Cristo são as duas expressões máximas. Em uníssono uns com os outros e sob a orientação de Buda que veio trazer luz para o Oriente, e de Cristo que veio para trazer luz para o Ocidente, os Guardiões da Terra podem exigir e evocar a bênção e revelação espiritual tão necessária:

Paz na terra e boa vontade para com os homens.”

Immagine

 Antes de 1985 o entendimento do Festival de Wesak era apenas uma lenda no mundo “ocidental”, muito embora alguns tenham visto o festival em sonhos e visões. O Festival é conhecido por todos os budistas, hindus e milhões de pessoas de fé muçulmana porque celebra o Senhor O Buda. Para muito, é um dia que homenageia o Seu nascimento, Sua vida e Iluminação. A consciência desse dia e a energia de cura que é irradiada por todo o planeta, tem crescido muito nas culturas ocidentais e as pessoas tem-se juntado à essa homenagem reunindo-se em grupos de orações e meditação. No momento principal da cerimônia, o corpo de energia do Buda desce para um nível mais próximo ao plano físico para que os todos os seres humanos possam se beneficiar do imenso influxo de amor que Ele irradia.

 

O local exato é considerado pelos peregrinos como a sede do Deus Altíssimo; fica no planalto central do Tibete, sobre o “telhado do mundo”. O nome desta montanha sagrada que representa o centro espiritual do mundo para um terço da raça humana, é Monte Kailas do Vale Wesak. O Monte Kailas irradia beleza majestosa e poder dentro de total isolamento. Alguns peregrinos levam meses viajando para este vale e para muitos é a realização do sonho de toda uma vida. Também há os que recordam terem viajado para lá em estado de sonho.

E essa é a natureza do Festival de Wesak. Peregrinos que chegam um dia antes da lua cheia e encontram tantos outros reunidos, juntam suas bandeiras de oração e vão circulando essas bandeiras com intensidade e expectativa. O canto se torna mais rítmico e harmonioso e os lamas reúnem seus instrumentos musicais e se preparam para a aproximação da lua cheia. São os lamas superiores da Seita do Chapéu Vermelho e sua presença enfatiza a natureza importante deste encontro santo evoluindo naturalmente na poderosa presença do Monte Kailas. O silêncio é absoluto.

 

Através da união de todas as pessoas uma poderosa vibração era sentida. Ninguém poderia negar essa energia elevando a vibração das Almas, misturando e fundindo-As num grupo “único” e todos tinham a sensação de que não estavam sozinhos, que milhões de outras pessoas estavam lá, em consciência, e que o Festival de Wesak é externalização de uma realidade espiritual interior. É o ponto alto da peregrinação, palavras não eram necessárias, estavam todos conectados com um outro mundo, uma outra realidade.  Diz-se que o Festival de Wesak forma-se a si mesmo num canal para a transmissão de poder e bênçãos a partir dos mais elevados e sutis níveis onde o Senhor Buda pode ser encontrado. Ele age como um ponto focal de todo esse poder, e ao emaná-lo através de sua Aura, dispensa (derrama) todas essas Bênçãos Luminosas sobre a humanidade.

 

O Senhor Buda em sua existência terrena, reconheceu que existe no cerne da experiência humana uma energia, um potencial. Essa centelha é a nossa Divindade que não existe separadamente, pois é, em si mesma, a essência da própria Vida. É, sempre foi, e para todo o sempre será. E o ponto primordial da experiência humana é o despertar da consciência para essa Vida que habita em cada ser humano e dar-se a Ela, sem reservas, hesitação ou condições. Quando o Buda se preparava para partir da Terra Ele disse:  “Eu não sou o primeiro Buda que veio à Terra, nem serei o último. No tempo devido, um outro Buda surgirá no mundo, um Ser Abençoado, um Ser supremamente Iluminado. ” Como vamos conhecê-lo?”  Buda foi perguntado. “Ele vai ser conhecido como MAITREYA”, aquele cujo nome significa “CHEIO DE BONDADE“.

Eis que novamente abre-se uma porta para o outro mundo, da Sabedoria, da Luz e do Amor.

 AFIRMAÇÃO DO DISCÍPULO

Eu sou um Ponto de Luz numa Luz maior.

Eu sou um fio de energia amorosa na corrente de
Amor Divino.

Eu sou um ponto de fogo sacrificial focalizado na
ardente Vontade de Deus.

E assim eu permaneço.

Eu sou um caminho pelo qual os homens podem
conquistar.

Eu sou uma fonte de força capacitando-os a permanecer.

Eu sou um raio de luz brilhando em seu caminho.

E assim eu permaneço.

E permanecendo assim ilumino o caminho.

E trilho desta maneira os caminhos dos homens.

E conheço os caminhos de Deus.

E assim eu permaneço.

A Grande Invocação

Do ponto de Luz na Mente de Deus,

Flua Luz às mentes humanas;

Que a Luz desça à Terra.

Do ponto de Amor no coração de Deus,

Flua Amor aos corações humanos;

Que Aquele Que Vem volte à Terra.

Do Centro Onde a Vontade de Deus é conhecida,

Guie o Propósito as pequenas vontades humanas;

O Propósito que os Mestres conhecem e a que servem.

Do centro a que chamamos a raça humana,

Cumpra-se o Plano de Amor e Luz;

E que Ele vede a porta onde mora o mal.

Que a Luz, o Amor e o Poder,

restabeleçam o Plano na Terra.

Fundação Cultural Avatar

[Responsável e distribuidora no Brasil das obras de: Alice A. Bailey, Mestre Tibetano, Mestre Morya]

 

                                                                SESSÃO SOLENE DE FESTIVAL DE WESAK

Quarta feira dia 14 de Maio às 19 hs no TAOS- traga todos os familiares e amigos para  celebrarmos juntos  esse momento tão especial em que pediremos ao Senhor  Buda que traga todo o seu Amor para que assim possamos alcançar o pleno estado de PHATAE – Paz Harmonia Tranquilidade Amor e Equilíbrio para toda a  humanidade!
É auspicioso trazer flores , frutas e um prato lacto vegetariano doce ou salgado para ser oferecido ao Senhor Buda.

Venham com roupa branca ou amarela!

LOCAL: RUA CARLOS DE CARVALHO, 65 – CENTRO

PRAÇA DA CRUZ VERMELHA.

HORÁRIO: 19 HORAS

DATA: 14 DE MAIO DE 2014 – QUARTA FEIRA

Todos serão muito bem vindos!!!

 Belisa do Arcanjo Miguel

 

 

 

 
Nota

PESSACH E PÁSCOA

O feriado, celebrado a partir desta segunda-feira (14) até o dia 22/4, tem com ponto central uma refeição ritual chamada seder, onde a família se reúne para relembrar a história do Êxodo, a fuga dos judeus do Egito liderados por Moisés em busca da Terra Prometida.

A última ceia partilhada por Jesus Cristo e seus discípulos é narrada nos Evangelhos e é considerada, geralmente, um “sêder do Pessach” – a refeição ritual que acompanha a festividade judaica.

A diferença entre a Pessach (Páscoa) do povo judeu para a Pascoa cristã é que a Palavra Pessach em hebraico significa passagem e para a Igreja Católica Pascoa significa Ressurreição.

De acordo com a tradição, a primeira celebração de Pessach ocorreu há 3500 anos, quando D’us enviou dez pragas sobre o povo do Egito.

Antes da décima praga, Moisés foi instruído por D’us,  a pedir para que cada família judia sacrificasse um cordeiro e molha-se os umbrais (mezuzót) das portas com o sangue do cordeiro, para que não fossem acometidos pela morte de seus primogênitos.

À meia-noite, um anjo enviado por D’us feriu de morte todos os primogênitos egípcios, desde os primogênitos dos animais até mesmo os primogênitos da casa do Faraó. Então o Faraó, temendo ainda mais a Ira Divina, aceitou liberar o povo de Israel para adoração no deserto, o que levou ao Êxodo.

É importante notar que Pessach significa a passagem, do anjo da morte, e não a passagem dos hebreus pelo Mar Vermelho..

A duração da Quaresma está baseada no símbolo do número quarenta na Bíblia. Nesta, é falada dos quarenta dias do dilúvio, dos quarenta anos de peregrinação do povo judeu pelo deserto, dos quarenta dias e Moisés e de Elias na montanha, dos quarenta dias que Jesus passou no deserto antes de começar sua vida pública, dos 400 anos que durou o exílio dos judeus no Egito.

Cabalisticamente, o número quatro simboliza o universo material, seguido de zeros significa o tempo de nossa vida na terra, seguido de provações e desafios.

Somos o resultado de todas as nossas encarnações. Através delas a nossa alma se purifica,

(pelo menos deveria) e se não aprendermos a “LIÇÃO”…

Este é um momento de reflexão e recolhimento para toda a humanidade, pois não podemos perder esta “viagem”!

Shalom

 
 
Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 141 outros seguidores